quinta-feira, 10 de março de 2011

Prezado Assinante, prezado espectador, caro amigo da OSB.

A Orquestra Sinfônica Brasileira comemorou em 2010 seus 70 anos de
existência. Ano passado, tocamos cerca de cem concertos - numero muito
expressivo - que foram vistos por 190 mil espectadores. A temporada teve
caráter de celebração, revivendo grandes momentos destas sete décadas
de trabalho. Não há dúvida de que a OSB é a orquestra mais tradicional do
país, com uma história de grandes estréias mundiais e no Brasil de obras-chave,
responsável pela revelação de talentos (Nelson Freire, Cristina Ortiz e Antonio Meneses, por exemplo) e pela presença no país dos maiores nomes do planeta como seus convidados.

Logo após o inicio das férias da Orquestra, todos os seus músicos foram
surpreendidos por uma convocação para prestarem uma prova de avaliação do
seu potencial artístico. Isso é inusitado. Nenhuma orquestra do mundo exige tal prova.
Criou-se assim um grande impasse na Fundação - como muitos dos senhores e senhoras já
sabem, porque foi veiculado pela imprensa. Há profundo desacordo sobre os
critérios e a exigência inédita desta prova, de "avaliação de desempenho".
Todos somos avaliados diariamente. Todos fizemos prova para ingresso na OSB.
Não há porque "avaliar" o que está todo dia sendo avaliado.

Agora, falamos de um desrespeito ao público.
A Fundação, querendo se precaver, decidiu colocar no palco a OSB Jovem
abrindo a nova temporada e atuando como único grupo sinfônico no primeiro
semestre da programação de 2011, sem nenhuma justificativa, tanto para os seus
assinantes quanto para os seus músicos profissionais.

Pela primeira vez na história desta tradicional instituição, percebemos um
desvio grave dos seus princípios. A Fundação OSB, erigida com o compromisso
estatutário de manter uma orquestra sinfônica, vê sua governança infringir
esta norma, acenando para seus músicos contratados com programa de demissão
voluntária, sem a solução ética da boa gestão que premia seus antigos e
fiéis funcionários.

Estamos diante de graves problemas trabalhistas e da triste situação da
busca de soluções externas para atingir algum equilíbrio entre as partes.
Estamos entristecidos com a utilização indevida dos jovens músicos, com o
desrespeito na desinformação dos assinantes, com o descaso para com os
músicos profissionais - aqueles que imprimiram a marca, a personalidade, a
característica única desta instituição, fundada e alimentada pelos sonhos
dos músicos e pela prestigiosa presença das senhoras e dos senhores em
nossos concertos. Estamos, enfim, nos mobilizando.

A partir de hoje, convidamos os assinantes e o público em geral a acompanhar
também por esse espaço as questões que colocaremos, como interessados de
primeira hora na qualidade e na excelência da programação da OSB, assim como
na manutenção deste grupo de artistas em sua melhor performance possível.
Uma orquestra sinfônica é um organismo singular: vivo, mobilizador,
poderoso, feito por seus artistas reunidos em prol de um objetivo comum: a
música em sua grandeza.
                             _______________________________

Dear subscriber, audience and friends of the Brazilian Symphony Orchestra

In 2010, the Brazilian Symphony Orchestra celebrated it’s 70 years of
existence. In the same year, we performed about 100 concerts, for an
audience of at least 190 thousand people, quite an expressive number. The
season had a commemorative character, inspired by seven decades of work and
excellence. There’s no doubt whatsoever that OSB is Brazil’s most
traditional orchestra, being responsible not only for world and Brazilian
premières of masterpieces, but for the discovery and revelation of
innumerous talents (Nelson Freire, Cristina Ortiz and Antonio Meneses, among
others) and for the presence in Brazil of music’s most well-known names as
it’s guests as well.

Soon after the beginning of their vacation recess, all the musicians were
surprised by a summons, in the way of a letter, to do an audition in order
to evaluate their artistic potential. This is completely unheard of.

On account of it, a dispute emerged in the orchestra’s administrative core –
as many of newspapers’ subscribers already know. There’s a deep
disagreement about the criteria, as well as for the demanding of such
unprecedented audition, for an “evaluation of individual performance”.
We’re all evaluated in a daily basis. Everyone did an audition before
admittance in the orchestra.
There’s no reason to evaluate something which is evaluated everyday. If,
after such a long time of hard work , they don’t know how we’re performing,
perhaps they should be the ones to be evaluated.

Now let us talk about the disrespect regarding the audience and general
public. The administration, to be on the safe side, decided to put on the stage the
Youth Orchestra (OSB Jovem), to open the season and perform as the only
orchestral group during the first semester of 2011, without any reasonable
explanation, both to orchestra’s subscribers or it’s musicians.

We sensed, for the first time in the history of this traditional
institution, a grave deviation regarding principles we hold so dear. The
Brazilian Symphony Orchestra’s (Fundação Orquestra Sinfônca Brasileira),
created towards a statutory commitment to maintain a symphonic orchestra,
see now it’s administration disobey this rule, approaching it’s musicians
with a “program for voluntary resignation’’, without any solution regarding
the ethics - a hallmark of it’s loyal and respect employees.

We’re standing before grave legal problems regarding labor laws, as well as
the sad reality of having to resort to external solutions in order to
establish a balance between parts.
The ill use of the young, the disrespect regarding the misinformation
towards the subscribers and public in general, the lack of respect with
which the professional musicians are being handled; those whose personality
and quality served as the cornerstone with which the unique character of
this institution was created, by the dreams and hard work of the musicians a
and by the prestigious attendance of our audience – all this sadden us
deeply, but we’re mobilizing ourselves.

We hereby invite the subscribers, and public in general, to follow here, in
this blog, the matters and questions we post with the interest in the
quality and excellence of our repertoire and maintenance of this group of
musicians in it’s best possible quality of performance.
A symphony orchestra is a special organism: living, powerful and capable of
mobilizing people, unified by it’s members on account of one single
objective: music in it’s grandeur.