segunda-feira, 18 de abril de 2011

O Globo

Fundação OSB propõe novo acordo para tentar encerrar crise com músicos

Plantão | Publicada em 18/04/2011 às 21h39m
Catharina Wrede

RIO - A Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira (Fosb) comunicou nesta segunda-feira, após reunião com seus conselheiros, sua proposta final de acordo para a crise que assombra a OSB. O documento foi uma resposta à contraproposta feita semana passada pelos músicos demitidos. Num dos sete tópicos apresentados, a instituição anunciou, conforme antecipara o colunista Ancelmo Gois em seu blog , o afastamento do maestro Roberto Minczuk da direção artística do Teatro Municipal, cargo que ele ocupava junto com a direção artística e a regência da OSB. No Rio, o maestro se dedicaria exclusivamente à OSB. Minczuk também é diretor artístico e maestro da Filarmônica de Calgary, no Canadá.

O documento não foi o que os músicos esperavam. Na contraproposta, os insurgentes haviam sugerido o desligamento de Minczuk da OSB. Outra medida comunicada pela fundação - e que desagradou aos músicos - foi a substituição das demissões por justa causa por suspensões de dois dias. Os instrumentistas defendiam o retorno à orquestra sem punições.

Na proposta da OSB, as avaliações de desempenho, que detonaram a crise, estão mantidas, só que em outros termos - acordados, segundo o documento, com os músicos numa reunião no último dia 8. Para retomarem suas funções, os músicos afastados por terem boicotado os testes terão que se submeter a uma avaliação em junho. A prova foi adaptada para um formato de música de câmara, em que os músicos formarão conjuntos e escolherão o repertório. Se aceitarem os termos, os demitidos serão reintegrados até 25 de abril.

Outro ponto do comunicado é a criação de um comitê artístico, de caráter consultivo, para auxiliar a direção artística. Além disso, os músicos da OSB Jovem voltarão a suas atividades regulares, concentrando-se nos Concertos da Juventude.