sexta-feira, 22 de julho de 2011

O DIA online - João Batista Damasceno

João Batista Damasceno: Murdoch e OSB


Cientista político e juiz de Direito. Membro da Associação Juízes para a Democracia

Rio - O filme ‘A Guerra de Rupert Murdoch contra o Jornalismo’, disponível na Internet, dimensiona o abuso de grupos econômicos e ajuda a compreender a partilha do Brasil nos anos 90, quando Murdoch iniciou controle de 95% das TVs  por assinatura no Brasil. Ministro de FHC, Mendonça de Barros disse o que realmente pensava sobre a privatização, publicamente, mas em ato falho: “Nós estamos vendendo o Brasil”. E, assim, nosso país foi loteado, e os direitos dos trabalhadores, destruídos.

Banqueiros, economistas e testas de ferro fizeram a festa. Parte deles hoje integra o Conselho da Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira (Fosb) e protagoniza um espetáculo que o público não gosta de ver. O maestro demitiu 44 músicos da OSB, o que a impediu de fazer apresentações este ano. Na inexistência de uma orquestra e para justificar recebimento de verbas públicas, a OSB fará um concerto de câmara, no próximo sábado, no Theatro Municipal.

A ministra da Cultura e o do Trabalho dizem se solidarizar com os músicos. Mas o Minc liberou cerca de R$ 6 milhões com base num parecer jurídico que ignora a vedação de participação do maestro nos valores captados para a OSB. O parecer diz que a participação é salário variável e incentivo ao desempenho; ignora o salário mensal de R$ 45 mil do maestro; diz que a participação é de meio por cento, quando o é de cinco por cento; ignora as contratações da Fosb com a empresa, também do maestro, Jupyra Produções Ltda, sediada em Santana do Parnaíba; trata a demissão coletiva dos músicos como mero conflito por insubmissão. E é endossado por procurador que compõe colegiado no Ministério do Esporte com membro do Conselho da Fosb.

Sem domínio da burocracia do Estado e sem as conexões dos seus carrascos, é difícil para os demitidos, trabalhadores especializados em música, proteger seus direitos. O silêncio e o tempo conspiram a favor dos estabelecidos.