terça-feira, 2 de agosto de 2011

Diário de Pernambuco: Orquestra Sinfônica Brasileira analisa contraproposta de músicos demitidos

Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR
02/08/2011 | 15h08 | Crise na OSB

Após duas assembleias e muita discussão, os músicos demitidos da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) elaboraram uma contraproposta ao documento de reintegração formulado na semana passada pela fundação que administra o conjunto. Na proposta da instituição, três alternativas foram apresentadas.

A contraproposta dos insurgentes refere-se à primeira delas, em que os 33 instrumentistas retornariam para formar uma novo corpo orquestral sem a regência de Roberto Minczuk e sem as polêmicas avaliações de desempenho, mas com regimento e salários antigos. Entre as exigências dos afastados, estão a garantia de estabilidade no emprego até 2016 e a escolha do terceiro diretor artístico da OSB, que atuará ao lado de Fernando Bicudo e Pablo Castellar. Procurados pelo GLOBO, os membros da Fundação OSB estão reunidos durante toda esta terça-feira para discutir a contraproposta.

"A fundação abriu o diálogo, e precisamos aceitar esta aproximação. Nossas contrapartidas indicam disposição em negociar. A opção de retorno dos 33 para um novo conjunto é a melhor, porque não divide o grupo. Queremos as condições básicas para voltarmos e estamos buscando nossas garantias", diz Deborah Cheyne, presidente do sindicato dos músicos.

Por condições básicas de retorno, os músicos demitidos entendem que a Fundação OSB precisa “incorporar ao salário o valor de R$ 2.166, que tem sido pago a título de cessão de direitos desde 2009”; e pedem a “participação de ao $um membro do novo corpo orquestral no Conselho Fiscal da FOSB, eleito pelos músicos do referido conjunto”, entre outras reivindicações, como a anulação de todas as penalidades, manutenção das mesmas condições contratuais anteriores e gratificações por função (spalla, concertino, etc). Eles pedem ainda que os sete músicos veteranos demitidos possam escolher a qual dos dois conjuntos se integrar — o conduzido por Minczuk, com melhores salários e novo regimento, ou o que será formado pelos músicos afastados.
Por Catharina Wrede, da Agência O Globo