terça-feira, 31 de julho de 2012

MOVIMENTO.COM

canto-opera-600-ok
  Marcus Góes em 31 jul 2012
OSB Ópera & Repertório + aberturas e trechos cantados + nova geração = festa e júbilo no TMRJ

O público gosta e não adianta discutir com o público. Por isso, os maiores teatros do mundo organizam e levam ao palco concertos com grandes orquestras,  acompanhando cantores em trechos de ópera, entremeados por aberturas e trechos orquestrais operísticos. Assim fazendo, esses grandes teatros passam por cima da opinião de muitos “entendidos” que torcem o nariz para a ópera, ignorando que são também elas vigas mestras em que se apoia a música, vide Orfeu e Eurídice, de Gluck, vide As Bodas de Fígaro e Don Giovanni, de Mozart, vide Tristão e Isolda, de Wagner, vide Falstaff, de Verdi, e muitas outras.

Isto posto, a OSB ÓPERA & REPERTÓRIO, sob as mágicas mãos de seus diretores artísticos Fernando Bicudo e Pablo Castellar, que apesar do  nome de toureiro  andaluz é carioca da gema, e sob regência de Jesus Figueiredo (não sei porque mudam para Jésus o lindo nome)  sobe ao palco do TMRJ nesta segunda-feira dia 06 de agosto às 20.00 horas para um concerto de trechos de ópera em homenagem aos 80 anos da ABAL – Associação Brasileira de Artistas Líricos, denominado “Uma noite de belcanto”. O programa inclui trechos de óperas de Rossini, Bellini e Donizetti, a grande tríade pré-verdiana.

Mas a festa mesmo está em que o concerto terá como solistas  elementos da nova geração de cantores líricos brasileiros que está brotando neste exato momento no Rio de Janeiro. Assim, o público poderá aplaudir (e fá-lo-á com certeza) sopranos da categoria e técnica apurada de Lívia Dias, Paloma Lima, Loren Vandal, Marina Considera e Juliana Franco, tenores do virtuosismo e elegância de Aníbal Mancini e Jacques Rocha, barítono da excelência e substância de Leonardo Pascoa, baixo  da eficácia e segurança  de Pedro Olivero, que, todos preparados pela essencial pianista Priscila Bomfim, mestra dos mestres, certamente brilharão como estrelas novas.

Como nada é perfeito, um erro de impressão e de inversão no programa a mim gentilmente enviado, estampou 1972 como ano de nascimento de Rossini. Erro? Nada disso. Sem querer, o programa remoçou Rossini  em 200 anos, o que significa uma homenagem ao sempre moço, jovial e mais bem humorado compositor que já existiu.

…EI DICEA,CONCEDI/CH´IO MI TI PROSTRI AI PIEDI…(Cantado por Adalgisa em NORMA , de BELLINI.)
MARCUS GÓES/JULHO 2012

sábado, 28 de julho de 2012


“Uma Noite de Bel Canto”
Tributo aos 80 Anos da ABAL


OSB ÓPERA & REPERTÓRIO

FERNANDO BICUDO e PABLO CASTELLAR,
Diretores Artísticos

JÉSUS FIGUEIREDO,
Regente

 Programação
 

Gioacchino Antonio ROSSINI (1972-1868)

O BARBEIRO DE SEVILHA

Abertura (7’)

Ecco ridente in cielo (ANIBAL MANCINI, tenor) (4’)

La calunia (PEDRO OLIVERO, baixo) (5’)

Una voce poco fa (LOREN VANDAL, soprano) (6´)

Largo al factotum (LEONARDO PÁSCOA, barítono) (5’)

GUILHERME TELL

Abertura (11’)
1ª parte:
2ª parte:


Vincenzo BELLINI (1801-1835)

O PIRATA

Col sorriso d´innocenza (LIVIA DIAS, soprano) (8’)

(intervalo)

Vincenzo BELLINI (1801-1835)

NORMA

Abertura (6’)

Casta diva (MARINA CONSIDERA, soprano) (6’)


Gaetano DONIZETTI (1797-1848)

LUCIA DI LAMMERMOOR”

Regnava nel silenzio (LOREN VANDAL, soprano) (8’)

A FILHA DO REGIMENTO”

Abertura (6’)

C´en est donc fait... Salut à la France! (JULIANA FRANCO, soprano) (8’)

Ah, mes amis (JACQUES ROCHA, tenor) (9’)

Teatro Municipal RJ
Dia 6 de agosto- 20h

terça-feira, 24 de julho de 2012

O Dia - Quinteto de Metais OSB O&R



22/7/2012

Jornal Meia Hora


BOAS AÇÕES EM DIA 
23/07/2012
  •  Reformulado pela frente de Melhoria Habitacional do Projeto Rio Cidade Sustentável, do CEBDS, o Galpão das Artes, na Babilônia e Chapéu Mangueira será devolvido à população quinta-feira com direito a apresentação do Quinteto de Metais da Orquestra Sinfônica Brasileira.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

OSB O&R - Grupo de Metais


OSB Ópera & Repertório
Grupo de Metais

(Flávio Melo e Nilson Coelho, Trompetes / Josué Soares, Trompa / Elber Ramos, Trombone / Eliezer Rodrigues,Tuba)

OSB O&R
Grupo de Metais 

Programa:
J. Clarke - Trumpet Voluntary
Gilberto Gagliardi - Cantos Nordestinos
Pixinguinha (arr. Antonio Henrique Seixas) - Lamentos
A.C. Neves - Blues for Brass
Ary Barroso - Aquarela do Brasil (arr. Duda)



Dia 26 de julho, quinta-feira
Local: Chapéu Mangueira, 19h

terça-feira, 17 de julho de 2012

O GLOBO - Luiz Paulo Horta

O GLOBO
Segundo Caderno - CLÁSSICO

Luiz Paulo Horta

CONCERTOS.
A OSB Ópera & Repertório toca amanhã, às 19h, no auditório do BNDES, programa de câmara com Haydn, Piazzolla e Guerra-Peixe.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Quartas Clássicas


 OSB Ópera & Repertório e a
"Sinfonia Surpresa" de Haydn.
Na próxima quarta-feira, no auditório do BNDES às 19h, a OSB O&R apresentará a famosa "Sinfonia Surpresa" de Haydn.
 
   “era meu desejo surpreender o público
com algo novo, e para fazer uma estréia
de uma forma brilhante”.
 
 Haydn em sua biografia sobre a sinfonia que estreou
em Londres em 1792. 

No programa também constam  "As Quatro Estações Portenhas" de Piazzolla tendo como solista Pablo de Leon  e o "Ponteado" de Guerra-Peixe.   

O Programa: 

Os Spallas Michel Besler e Pablo de Leon
 Haydn - Sinfonia Nº 94 - em sol maior - "Sinfonia Surpresa
Haydn escreveu a sinfonia em 1791 em Londres para uma série de concertos durante a primeira de suas duas visitas a Inglaterra (1791-1792).  A estreia teve lugar nas salas de Hanover Square, em Londres em 23 de março de 1792, com Haydn conduzindo a orquestra ao piano. A estréia foi muito bem sucedida. Em sua biografia Haydn registrou:
 - “era meu desejo  surpreender o público com algo novo, e para fazer uma estréia de uma forma brilhante”.


                                                         A.   Piazzolla - “As Quatro Estações Portenhas”
Pablo de Leon - Solista

Buscando inspiração nos célebres concertos de Vivaldi, Piazzolla compôs a obra “As Quatro Estações Portenhas” entre os anos de 1964 e 1970, colocando nela uma atmosfera latina, melancólica e vigorosa, assim como o próprio tango. Ele descreve através da música a forma de vida e as sensações dos portenhos nas quatro estações do ano, Primavera, Verão, Outono e Inverno.


 
                                                         Guerra-Peixe - “Ponteado”
O regente Mateus Araujo e o solista
Pablo de Leon


César Guerra-Peixe (1914 -1993) compositor petropolitano que juntou música de concerto e música popular numa obra de personalidade que o alçou à posição de um dos grandes nomes do nacionalismo musical brasileiro. Uma das obras mais famosas de Guerra-Peixe "Ponteado"  foi estreada pela OSB em 1955.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Quartas Clássicas - BNDES



OSB Ópera & Repertório participa do Quartas Clássicas no Auditório do BNDES

Quartas Clássicas
Concerto no dia 18 de julho, 19h 
Sob a regência de Mateus Araujo, a OSB Ópera & Repertório sobe ao palco do Auditório do BNDES no dia 18 de julho para apresentar a Sinfonia Surpresa de Joseph Haydn. O concerto gratuito, que acontece pela Série Quartas Clássicas, traz também a releitura de Astor Piazzolla para a mais conhecida criação de Vivaldi, em Quatro Estações Portenhas, e o Ponteado de Guerra-Peixe. Não perca!

terça-feira, 3 de julho de 2012

Prata da Casa




|02/07/2012

 Banda Campesina faz ensaio com o violinista André Cunha

Neste sábado, 30, às 19h, a banda Campesina Friburguense faz ensaio com o violonista André Cunha. Serão dois concertos do violonista com a Campesina ainda a serem marcados. O presidente Carlos Magno da Silva (Maguinho) convida todos os que gostam da boa música para essas apresentações e garante que vai valer a pena conferir a participação especial desse grande violinista.
De acordo com Maguinho os campesinistas estão muito felizes com a parceria firmada com o SindMusic, que resultou na presença de vários músicos de renome na sede da banda, incluindo André Cunha neste sábado. O presidente frisa que em breve vai divulgar dia, hora e local dos dois concertos com este músico.
Quem é – André Cunha é bacharel em violino pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro na classe do mestre Paulo Bosísio e integra a Orquestra Sinfônica Brasileira; foi premiado no Concurso Nacional de Cordas Paulo Bosísio e no II Concurso de Violino da Escola de Música de Brasília. Estudou na Escola de Música de Brasília com Ludmila Vineska; foi spalla e solista da Orquestra Jovem de Brasília, Orquestra de Câmara de UNB e Orquestra da UniRio; já se apresentou com diversos conjuntos no Brasil e exterior como a Wollongong Simphony, da Austrália, e Orquestra Atave, de Portugal.
Convidado pelo Itamaraty, André Cunha representou o Brasil em concertos no Vietnã e Cingapura, com a Cia. Bachiana Brasileira e atuou também como bailarino na Cia. Ana Andrea Arte Contemporânea. Atualmente ele cursa pós-graduação em música de câmara no Conservatório Brasileiro de Música.
A sede da banda Campesina Friburguense fica na Avenida Campesina Friburguense, 85, no Centro. Outros detalhes do ensaio e da apresentação pelo telefone 2522-2410.